terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

RPM: novo álbum influenciado por Killers, Blur e Muse

Luiz Schiavon, tecladista do RPM, revelou ao site Visto Livre que o CD de inéditas que a banda prepara (e previsto para ser lançado em maio próximo), está na fase de composição de músicas e início da elaboração de arranjos. O tecladista completou e disse: "Colocaremos guitarras pesadas, bateria precisa, elementos eletrônicos e outros atributos tradicionais da nossa sonoridade. Mas o som não será oitentista".


Ainda sobre a sonoridade desse CD de inéditas, que será o primeiro desde "Quatro Coiotes" de 1988 e marcará a retomada da carreira da banda, o vocalista e baixista PAULO RICARDO revelou que a banda terá um "update" na sonoridade e resumiu a situação: "Já temos uma sonoridade que é reconhecível logo nos primeiros 10 segundos de música. Mas vamos nos atualizar. Continuaremos sendo uma banda que não economizará com a inserção de teclados. O nosso som novo beberá em fontes como The Killers, Muse e Blur".

Sobre uma polêmica recente, que foi gerada após uma declaração de Paulo Ricardo sobre a carreira solo do guitarrista Fernando Deluqui num programa de rádio em 2010 e que gerou um mal estar entre ambos, pois o vocalista fez críticas à carreira solo e a intenção do guitarrista em cantar algumas músicas num retorno da banda e ter creditado esse fato como o rompimento do RPM nos anos oitenta. Em relação a isso, Schiavon afirmou que a carreira solo do guitarrista é respeitável e coerente com suas inflências, mas o RPM tem "uma estética muito clara e diferente disso" e citou exemplos do que seria Deluqui a cantando na banda: "Colocar o Nando para cantar é a mesma coisa que esperar que o Charlie Watts assuma os vocais dos Stones. Ou querer que o goleiro Felix jogasse na linha na seleção de 1970".

O tecladista ainda afirmou que essa volta da banda não será temporária, pois o plano anteriormente dos membros manterem uma carreira solo em paralelo foi deixado de lado e uma nova pausa, segundo Schiavon, seria para daqui a quatro ou cinco anos - período onde cada um ia fazer seus trabalhos solos e projetos pessoais.

2 comentários:

Ródrio disse...

Que ótima notícia - RPM contribuiu de forma decisiva para o embalo do rock nacional. Gosto muito.

marcio disse...

o rpm e a unica banda perfeita por varios itens,primeiro nao e so o vocalista q e talentoso,exemplo todos compoe...ja e grande coisa melhor tecladista...melhor guitarrista e ainda faZEM BACKIN VOCAL...sao originais tem varios estilos ,tocam acustico ou eletronico com facilidades.ex london london tem uma performace de piano e voz inconfundivel,paulo e carismatico,p.a e um puta baterista...pena q deus nao da asas a cobra....se nao existicem pausas na carreira seria a unica banda capaz de fazer musicas bonitas nos dia de hoje...assin como fez legiao urbana ,dando segmentos em seus discos,se a ivete sangalo cantasse menina linda...de p ricardo todos iam achar q a musica da vida deles ....mas como nao teve repercussao q merecia os outros acham q e so mais uma de amor...tbem nao gosto q rotulem o rpm ou p.ricardo.pq os titas nao sao mais como antigamente mas ainda sao bons ,melhores do q qualker nxzero...assim e o rpm classico e bom ...se tiver midia como o luan santana ou claudia leite...com certesa os brasileiros consumiiriam algo verdadeiro e nao um a maria vai com as outras ...tipo esse pagodes ou michel telo...valeu um abraço forca p rpm...